11/04/2017

"Agricultura e indústria no Brasil: inovação e competitividade"

Acabou de sair o pdf gratuito do livro escrito por meu colega José Eustáquio Vieira Filho e Albert Fishlow. Este, como todos deveriam saber, é um gigante da história econômica, fundamental na formação do Ipea e primeiro economista a chamar atenção para o aumento da desigualdade durante o milagre econômico. Já escrevi sobre ele aqui no blog.
Ainda não li o livro, mas vejam só quem o prefaciou: José Alexandre Scheinkman; Eliseu Roberto de Andrade Alves e Ozires Silva. Promete muito.

29/03/2017

Jornalismo de dados é insuficiente (continuação)

O post anterior rendeu respostas da Tai Nalon e do Sergio Spagnuolo, que trabalham no AosFatos.
  1. Antes de tudo, eu só critico o Aos Fatos só  porque admiro o esforço e  os objetivos do projeto; 
  2. Tai Nalon, as bases utilizadas no estudo não são as mesmas. Ambas tem como fonte a Rais, mas Stein et al usaram a base da Rais identificada (também chamada de Rais-Migra) que tem os dados completos do indivíduo e do vínculo empregatício. Isso permite seguir o mesmo trabalhador a cada ano. Já o Dieese usou os dados agregados da Rais (de forma irresponsável). 
  3. O problema não é falta de dados. A Rais identificada é uma base de 70 milhões de observações por ano que permite resolver problemas empíricos bastante complicados. (A propósito, o método de identificação dos terceirizados feito por Stein et al é apropriado, na minha opinião) 
  4. Sérgio apontou que todo mundo erra, inclusive o Ipea. Ele não precisava citar artigos dos meus colegas de trabalho. Poderia citar os meus erros. Veja aqui aqui duas lambanças que eu mesmo fiz, identifiquei e corrigi. Imagine quantos erros eu devo ter deixado passar?! Além desses erros triviais, devo ter cometido muitos outros metodológicos. Contudo, isso é diferente de escrever um trabalho não-científico. Seria como comparar um erros de um astrônomo com um de um astrólogo. (Um astrólogo nunca erra, pois a astrologia já é um erro em si )  
  5.  Aí vai o meu ponto: eu não espero que jornalistas saibam dessas manhas da pesquisa empírica e das bases de dados. O meu ponto é que vocês deveriam ter o apoio de pesquisadores antes de equiparar o panfleto do Dieese e o trabalho de Stein et al. Ora, os leitores vão ao site do AosFatos pela credibilidade que vocês têm. Se o conceito de "Verdadeiro" passa a significar "há um estudo que afirma", qualquer coisa é válida porque sempre existe um estudo mal feito para ser citado. No site vocês dizem que "Verdadeiro" significa "declaração condizente com os fatos e que não carece de contextualização." O panfleto do Dieese não se enquadra na categoria. Um economista, sociólogo quant ou demógrafo bem treinado teria percebido isso imediatamente.
  6. Se a ideia do AosFatos for reproduzir as conclusões de estudos não importando sua qualidade, então sugiro que vocês explicitem isso para o leitor. Se for checar a veracidade das afirmações de políticos e autoridades, aí eu os congratulo porque é disso que o debate público precisa.

Jornalismo de dados é insuficiente

O site Aos Fatos checou se terceirizados ganham menos e comparou dois estudos. Um trabalho diz que os terceirizados ganham -24,7%; e o outro, desprezíveis -3%. O problema é que o site escolheu  dois trabalhos com rigor completamente diferente. Um foi feito pelo Dieese e só compara as diferenças entre ocupações tipicamente terceirizadas e as que não são. Isso é tão científico (ou trivial) quanto comparar o salário de pessoas que trabalham de paletó e de uniforme.
O outro estudo escolhido foi o paper de Stein et al . Este é um trabalho cuidadoso, com microdados da RAIS identificada e que usa as melhores técnicas disponíveis para tentar controlar as diferenças entre os indivíduos terceirizados e os que não o são. 
O texto do Aos Fatos dá o mesmo status a ambos estudos e faz crer que são duas visões sobre a mesma questão. Não mesmo. Claro que o trabalho de Stein et al não é definitivo, perfeito. Nenhum é, mas ele está em outro patamar de qualidade do que o panfleto - uso o termo conscientemente- do Dieese.
Sempre haverá trabalhos ruins. E os bem-intencionados divulgadores de ciência só pioram as coisas quando não separam esse joio do trigo. O público leigo fica ainda mais confuso e incrédulo.
Jornalismo de dados é uma ideia boa, um avanço, mas precisa do apoio de gente com treinamento em outras áreas e não apenas programadores ou web designers. Gente que saiba  que os dados não falam por si e precisam de alguma teoria para guiar as análises e a seleção de estudos de qualidade.

Links:
-O Roberto Ellery deu umas boas pancadas no estudo do Dieese.

22/03/2017

Por que Tony Ramos faz propaganda de carne?

Tony Ramos nunca teve reputação de gourmet ou mesmo de churrasqueiro. Por que contratá-lo?
Vamos lá.  Os consumidores enfrentam um desafio: saber a qualidade dos produtos. Em vários casos isso não chega a ser muito complicado. Na compra de uma maçã, por exemplo,  ele examina o produto e estima a qualidade antes de comprar.
Outras vezes não é tão fácil. Pode ser que o consumidor só conheça a qualidade depois de consumir o produto (filmes, livros e a maior parte dos bens culturais), ou porque há problemas técnicos na identificação da qualidade (pense em um remédio). Nesses casos, a sociedade desenvolveu seus próprios mecanismos: críticos especializados que dizem se um livro ou restaurante carro são bons, Yelp, ou mesmo órgãos de certificação privada ou pública.
A propaganda é outro mecanismo de sinalizar qualidade. A lógica é a seguinte: a empresa gasta uma fortuna em propaganda- e geralmente alardeia o quanto gastou-  para mostrar ao consumidor: "Ei, olha só, gastei R$25 milhões para o Rei Roberto fazer propaganda da minha marca. Isso mostra que eu estou  comprometido com a minha marca. Se o produto for ruim, eu não terei como recuperar essa grana. "
Quem genialmente sacou esse mecanismo foi o P Nelson em um artigo que já completou 4 décadas:
NELSON, Phillip. Advertising as information. Journal of political economy, v. 82, n. 4, p. 729-754, 1974.
O mecanismo é perfeito? Não. A realidade recente mostrou que nem a certificação governamental, nem contratar artistas por milhões garante 100% de qualidade. Mas quem vai contratar o Tony Ramos para uma propaganda de agora em diante? Antecipando os riscos a suas imagens, os artistas serão mais cautelosos (e/ou) cobrarão mais. Será que vai surgir uma certificação privada para as carnes nacionais?
Enfim, informação assimétrica sempre existirá e não há um mecanismo só capaz de cobrir todas as situações.

10/03/2017

Diversos

22/02/2017

Arrow e a história econômica

O artigo se chama "Maine and Texas". Em resumo, a história econômica teria ao menos dois usos para a Economia. Um que todo mundo sabe e outro mais sutil:

  • Testar teorias;
  • Mostrar em que condições a teoria é válida.

Vale também o alerta que a aplicação da teoria econômica à história corre o risco de achatar o passado, mostrando-o como "merely a playing out of a well-defined script". 

21/02/2017

Razão de masculinidade no mundo e nos estados brasileiros

Esse ótimo post mostra como fazer o gráfico do número de homens por mulher a cada idade por país. Fica bem claro que nascem mais homens do que mulheres e que tal taxa despenca na 3a idade. Também me chamou atenção como essa queda ocorre  mais cedo nos países ex-comunistas. Vodka e cigarros devem ser os responsáveis.


No Twitter, perguntei se alguém tinha um gráfico desses para o Brasil. O Rodrigo Godoy Conejo (@RodrigoGConejo) fez os belos gráficos abaixo. Legal ver como ainda há estados na Região Norte com perfil demográfico de regiões de fronteira, ie com mais homens do que mulheres em idade ativa.
A aumento recente da violência no Nordeste cobrou seu preço: a taxa cai bem mais rápido em Alagoas e no Ceará.
Eu só não tenho ideia do que acontece no DF. (A taxa de homicídios não é tão alta -para o padrão brasileiro-,  mas será que o setor público atrai um número extraordinário de mulheres?)



15/02/2017

Sorte, mérito, igualdade e tudo mais

Ótimo artigo do Irineu de Carvalho Filho na coluna Por quê da Folha (eu nem sabia que ele escrevia lá!).
Os sem-folha podem (mas não devem!) usar este link.
No mesmo assunto, eu aproveito para recomendar o Up Series. São documentários que acompanham um grupo de crianças inglesas das mais diversas classes desde 1964, em intervalos de 7 anos. Lá fica clara a importância da origem, do mérito  e da sorte (ou melhor, do azar) nos destinos individuais.

10/02/2017

Entrevista do Friedman sobre Metodologia

Aqui. Coisa fina, bastante sincera e com direito a muitas fofocas.
Vale a pena ler tudo, mas uma das melhores passagens é a sua crítica ao Mises e cia.


09/02/2017

Has Latin American Inequality Changed Direction? Looking Over the Long Run

Editado por Bértola e Williamson, o livro da Springer está disponível para download gratuito e será a minha leitura de final de semana!
Não conheço a maior parte dos trabalhos e autores, mas destaco - entre os brasileiros- o grande mestre Eustáquio Reis e o Pedro Funari, da novíssima geração. Na verdade, tudo parece muito bacana.
(via @pseudoerasmus, melhor @ e blog de história econômica em atividade)




31/01/2017

Diversos


30/01/2017

Comparar documentos no LaTeX

Tão fácil que até eu consegui fazer. Ele compara dois arquivos LaTeX e cria um novo que gera um pdf bem parecido com aqueles do Word: inclusões e exclusões marcadas em cores diferentes.

  1. Instale o programa latexdiff;
  2. Coloque tudo na mesma pasta latexdiff, VersaoAnterior.tex VersaoNova.tex
  3. No Windows, crie um arquivo .bat com apenas o seguinte conteúdo:

latexdiff VersaoAnterior.tex VersaoNova.tex > NomeArqComMarcacao.tex

Rode o bat e depois compile o NomeArqComMarcacao.tex no LaTeXFica bem bonito e eu não tive qualquer problema. Caso você enfrente algum, sugiro pedir socorro a alguém com menos de 30 anos. 
(Agradeço ao  Philipp Ehrl pela dica) 

26/01/2017

A lenda da boa telefonia estatal

Caiu nos meus ouvidos a seguinte narrativa:
"Na primeira metade do sec XX, a telefonia no Brasil era privada e ruim; a estatização a melhorou e a privatização nos anos 90 não fez diferença porque a tecnologia mudou na mesma época. "
Tendo vivido os anos 80, eu lembro da desgraça que era esperar anos e pagar milhares de US$ por uma linha. Esqueçamos as evidências anedóticas. Vejamos as taxas de crescimento linhas fixas/ capita uma década antes e uma década depois da estatização.
  • Privado (1947-1956) 4,8% a.a.;
  • Estatal (1957-1967)  4,0 % a.a.
Ou seja, mesmo quando o setor privado sofria com regulação ruim e tarifas represadas, o ritmo do crescimento foi maior do que na primeira década estatal. Sim, a telefonia privada era ruim, mas a estatização reduziu o ritmo da expansão na primeira década.
No período estatal como um todo (1947-1998): 5,2% a.a. 
Privatização-  1998 e 2002: 16.4%. a.a.
(Depois de 2002, o celular entra com força e o dado de telefone fixo fica estável).
Em suma: a narrativa dos viúvos da Telerj é furada. A estatização dos anos 50 reduziu a velocidade do avanço da telefonia e a privatização dos anos 90 fez toda diferença.
Aí vai o gráfico da relação telefones fixos por 100 pessoas. A área em cinza é o período estatal. 
















Fontes: MoxLAD para 1947- 1997 e World Bank para 1998-2014.
Nota1: Não tenho a mínima ideia do porquê da queda em 1987. Como todo dado, sugero cautela no uso.
Nota2: No período 1907-56, a taxa de crescimento foi 6.3% a.a.